Com baixo desemprego, região Sul importa mão de obra até do Haiti

Por Marília Almeida – iG São Paulo | 17/04/2014 09:00

Até churrascarias de São Paulo têm dificuldade na contratação de garçons gaúchos

Famosa churrascaria de São Paulo, a Fogo de Chão anuncia o jeito gaúcho de fazer churrasco como um de seus apelos. Não à toa, a maioria dos funcionários de uma de suas unidades eram trabalhadores imigrantes do Rio Grande do Sul, com experiência e identificação com o negócio. 

Esta tradição mudou. A procura de gaúchos por um emprego nas churrascarias paulistas diminuiu. Hoje, eles correspondem a cerca de 40% dos funcionários de uma das unidades da rede na capital paulista, e dividem mais espaço com trabalhadores nordestinos e funcionários de São Paulo.

Garçom da churrascaria Fogo de Chão, em São Paulo: gaúchos, antes maioria, já representam cerca de 40% dos funcionários de unidade

Empresários do setor sentem a diferença. “São jovens bem educados, que atendem bem. Mas parece que estão encontrando mais oportunidades por lá”, diz Antonio Augusto Ribeiro, empresário do setor de alimentação.

O desemprego no Sul, medido pela taxa de desocupação, que inclui trabalhadores por conta própria, e não apenas empregos formais, atingiu 3,8% no final do ano passado, último dado calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a menor taxa em dois anos, desde o início da série.  A região está perto de alcançar o chamado pleno emprego – quando a taxa de desocupação fica abaixo de 3,5%.

O Sul é seguido pelo Centro-Oeste, cuja taxa atingiu 4,9%, e corresponde à metade da registrada no Nordeste do País, de 7,9%, a mais alta do Brasil.

A situação não mudou nos primeiros meses deste ano, conta a economista-chefe da Federação do Comércio do Rio Grande do Sul (Fecomercio-RS), Patrícia Palermo. “Em fevereiro, a taxa de desocupação atingiu 3,3% na região metropolitana de Porto Alegre. No mesmo período do ano passado, era de 3,9%”. 

O Sul já tem historicamente uma desocupação mais baixa do que o resto do País. Entre as razões, o fato de não ser muito procurado por imigrantes, ter uma taxa de mortalidade mais baixa, um maior nível de educação e de distribuição de renda. Porém, Patrícia aponta que Porto Alegre, por exemplo, vem batendo consecutivos recordes de taxas baixas de desocupação. “A situação se intensificou”. 

Como consequência da escassez de mão de obra, as empresas sofrem pressão para aumentar salários e, ao mesmo tempo, são forçadas a incorporar funcionários sem a qualificação desejada. O Sul também começa a receber estrangeiros, algo pouco comum até agora no mercado de trabalho. 

Rotatividade aumenta e empresas oferecem mais “por fora”

A Humanizar, consultoria de Recursos Humanos de Porto Alegre, tem 70 vagas abertas na cidade – 70% delas são para cargos operacionais, como por exemplo, atendentes e funções ligadas diretamente à linha de produção. 

Este perfil de vagas é o que concentra maior rotatividade. Com mais oferta de emprego, o trabalhador tende a pular de uma vaga para outra. “Ele fica 60 dias em uma vaga e sai por um valor um pouco maior”, conta a gerente comercial Letícia Dubal, da Humanizar. “Se está desempregado, tende a ser mais seletivo. E, por outro lado, tem agora menos qualificação”. 

Letícia conta que um de seus clientes, um clube de lazer local, tem vagas abertas há cerca de seis meses. Isso porque os funcionários que forem contratados terão de dar expediente nos finais de semana. “Eles renovam o contrato com a nossa agência e ainda trabalham com diversas outras, mas não conseguem preencher os postos de trabalho”. 

Vagas administrativas e de coordenação também demoram mais para serem preenchidas. Geralmente, os candidatos estão empregados, e têm de mudar de emprego. Esta transição interfere na velocidade do processo seletivo. 

“Estamos contratando todos os dias. Diariamente tem gente depositando fichas aqui” (atendente do Mercadorama no bairro Batel, em Curitiba)

Letícia conta que está cada vez mais difícil atender ao pedido de clientes, que buscam funcionários registrados por seis meses a um ano. “Geralmente o tempo fica entre três e seis meses”.

As empresas continuam pagando o piso da categoria para cargos operacionais. Mas, para atrair mais candidatos, passam a incluir uma remuneração extra para atendentes. Se a empresa bate a meta de vendas do mês, conseguem distribuir 0,5% ou até 1% do lucro entre funcionários, que pode chegar ao valor de R$ 150 por semana para cada funcionário. 

O piso salarial no Sul, de R$ 769, já é maior do que o do Sudeste do País desde 2010, segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Na região, 94,4% dos reajustes salariais tiveram aumento real em 2013, e apenas 0,6% ficaram abaixo da inflação medida pelo IBGE.

O drama do mercado de trabalho em Porto Alegre é semelhante ao de Curitiba. No supermercado Mercadorama do bairro Batel, em Curitiba, a atendente anuncia: “Estamos todos os dias contratando, e todos os dias tem gente preenchendo ficha. Sai um pouco de gente, e temos de contratar”. A unidade tem vagas abertas para operador de caixa e no frigorífico. Em outra unidade da rede na cidade, havia três vagas de caixa abertas.

Estrangeiros começam a migrar para a região

O frigorífico Languiru, em Poço das Antas (RS), um município de colonização alemã com 3 mil habitantes, levou este ano moradores pouco comuns: 45 haitianos. Buscar estes trabalhadores é uma maneira de as empresas conseguirem preencher de forma mais rápida um grande número de vagas. 

De acordo com dados do Conselho Nacional de Migração (ligado ao Ministério do Trabalho e Emprego), as autorizações para estrangeiros trabalharem de forma temporária no Rio Grande do Sul saltaram de 580 em 2010 para 1.402 em 2013. No ano passado, o Rio Grande do Sul foi o quarto Estado que mais recebeu estrangeiros nestas condições. 

Em Santa Catarina, as autorizações para estrangeiros trabalharem de forma permanente ou temporária no Estado mais que dobraram e passaram de 311 em 2010 para 663 em 2013. No Paraná, aumentaram de 1.023 para 1.225 no mesmo período. 

Atividade econômica mais aquecida é motivo

O aquecimento do mercado de trabalho da região Sul se descolou da média nacional a partir do início de 2013, analisa o  economista da consultoria LCA, Paulo Neves.

Com exceção da construção civil, que fechou 2 mil postos de trabalho na região em 2013, todos os setores foram geradores líquidos de empregos formais, com destaque para a indústria, principalmente os setores de transportes, alimentos e bebidas, que criou 44 mil postos no ano passado no Sul.

A indústria, analisa Neves, é o maior diferencial da região. “O desempenho do segmento foi bom no ano passado enquanto, em outras regiões, foi até negativo. Além disso, tanto o comércio quanto serviços também tiveram bom desempenho. Não desaceleraram”, avalia o economista. 

E também: Haitianos são mão de obra crescente em empresas brasileiras

O melhor desempenho na geração de empregos foi registrado no Rio Grande do Sul, onde o crescimento de vagas foi de 20% de 2012 para 2013.

Em Santa Catarina, o setor de serviços, principalmente o de transportes, foi o destaque, enquanto no Paraná o varejo cresceu mais. Em Santa Catarina, a atividade econômica do setor de serviços cresceu 6,6% e, o de transportes, 17,5% no último trimestre de 2013 com relação ao mesmo período de 2012. No Paraná, o faturamento do varejo aumentou 16%.

No varejo, o destaque são as vendas de móveis eletrodomésticos, que subiram 15% no Sul, praticamente o dobro da média nacional. 

Mas, segundo Neves, o cenário deve mudar. A previsão da LCA é de que, este ano, o Produto Interno Bruto (PIB) da região Sul se aproxime mais do PIB nacional e fique em 2% quando, no ano passado, ficou 1 ponto porcentual acima, e atingiu 3,5%. “A indústria, a produção de grãos e o refino de petróleo devem passar por ajustes, bem como a produção do setor automotivo”.

Uma das empresas que mais emprega no Sul do País já sente esta acomodação. Vanderlei Novello, diretor de Recursos Humanos e Administração das empresas Randon, que tem 10 mil funcionários na região, aponta que foi necessário flexibilizar requisitos de qualificação para vagas operacionais ligadas à produção em 2013.

“Porém, este ano, a situação já ficou estabilizada. Empresas da região já estão dispensando trabalhadores que são possíveis absorver em nossas empresas”, explica o executivo da Randon.  Em cargos técnicos, a companhia realizou ações para buscar profissionais de outras localidades da região.

Saída é investir em qualificação

Não há para onde correr: em um cenário de baixo desemprego, resta às empresas investirem em qualificação para funcionários.

Patrícia Palermo, da Fecomercio-RS, aponta que, desde o início do ano, o Rio Grande do Sul lidera o número de trabalhadores matriculados no Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). São em torno de 22 mil, quase o dobro do segundo colocado, o Ceará, que registra 14,8 mil matrículas. No Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico (Pronatec), a região tem maior proporção de matriculados do que o Nordeste.

Pedro Lopes, presidente da Fetransesc: otimismo com programa de qualificação

O presidente da Federação das Empresas de Transportes de Santa Catarina (Fetrancesc), Pedro Lopes, confessa que há dificuldades em encontrar mão de obra no setor no Estado. “Como as empresas sediadas em Santa Catarina transportam cargas para o centro do País, muitas vezes contratam o pessoal lá e eles vêm trabalhar aqui”. 

Porém, o executivo está otimista com relação ao programa 1ª Habilitação, criado pela Confederação Nacional dos Transportes com apoio do Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Sest/Senat).

O programa irá dar carteira nacional de habilitação de graça, além do curso necessário para profissionais do setor, para jovens de 18 a 25 anos. Jão são 150 mil inscritos, e Lopes estima que, apenas em Santa Catarina, sejam necessários 14 mil funcionários no segmento. “No lançamento do edital, tivemos entre os inscritos até moradores do Acre”, conta.

Isso porque Santa Catarina tem uma peculiaridade: possui cinco portos em operação, e não há planejamento ferroviário. “Somos 95% dependentes do caminhão”, conta Lopes. A recente duplicação da BR-101, que liga o Brasil aos países vizinhos que participam do acordo comercial do Mercosul, incentivou a maior movimentação de cargas no Estado, pois diminuiu os custos com pedágios para as empresas que precisam acessar os portos.

 

http://economia.ig.com.br/empresas/2014-04-17/com-baixo-desemprego-regiao-sul-importa-mao-de-obra-ate-do-haiti.htm

Sobre SPM - Serviço Pastoral dos Migrantes

O Serviço Pastoral dos Migrantes (SPM) é uma Pastoral Social, vinculada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), fundada em 1985, que promove os direitos humanos, sociais, econômicos, políticos e culturais dos migrantes e imigrantes e comunidades de origem, trânsito e destino.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s