Papa Francisco critica a indiferença do mundo com o drama da imigração

O pontífice também desejou um bom início de jejum pelo Ramadã, as centenas de muçulmanos que estavam presentes\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\Lampedusa – O papa Francisco, argentino filho de emigrantes italianos e grande defensor dos pobres e desfavorecidos, condenou nesta segunda-feira (8/7) na ilha siciliana de Lampedusa, sul da Itália, a “globalização de indiferença” ante o drama da imigração ilegal. “A ilusão pelo insignificante, pelo provisório, nos leva à indiferença em relação aos outros, nos leva à globalização da indiferença”, advertiu o Papa em sua primeira viagem oficial dentro da Itália. “Perdemos o senso de responsabilidade fraternal”, afirmou o pontífice durante a missa celebrada no pequeno estádio da ilha, porta de entrada na Europa para milhares de pessoas que sonham com uma vida melhor.

“A cultura do bem-estar nos torna insensíveis aos gritos dos demais, nos faz viver em uma bolha de sabão: bela, mas vazia”, disse. “Aos imigrantes que morreram no mar, em barcos que ao invés de um caminho de esperança se transformaram em caminho de morte”, Francisco pediu perdão. “Senhor, com esta liturgia, que é uma liturgia de penitência, pedimos perdão pela indiferença de irmãos e irmãs, pedimos perdão por termos nos acomodado, por termos nos fechado em nosso bem-estar que anestesia o coração”, disse.

O pontífice também pediu perdão para “aqueles que com suas decisões em nível mundial criaram situações que levam a estes dramas”, completou. Em sua homilia, em um altar instalado sobre um barco e diante de centenas de imigrantes e moradores da ilha, o Papa também condenou o “tráfico de pessoas que exploram a pobreza”. “Acabo de ouvir um deles, como sofreu com traficantes de seres humanos que exploram a pobreza. Alguns deles não conseguiram sequer chegar”, comentou improvisando.

“Senti que tinha que vir aqui hoje para rezar, para fazer um gesto de aproximação e para que o que aconteceu não se repita por favor”, disse o Papa, que citou o texto de Lope de Vega “Fuenteovejuna”. “Quem é o responsável pelo sangue destes irmãos e irmãs? Ninguém e todos. Perdemos o senso da responsabilidade fraternal”, reiterou. Para as centenas de muçulmanos que estavam presentes, Francisco desejou um bom início de jejum pelo Ramadã e, em sinal de respeito, afirmou que a Igreja Católica está “perto, na busca de uma vida digna”.

O pontífice, que permaneceu cinco horas na pequena ilha italiana, chegou pouco depois de 166 imigrantes ilegais serem socorridos de uma embarcação pela guarda costeira. “Oremos para que tenhamos um coração que saiba abraçar os imigrantes. Deus nos julgará com base em como trataremos os que precisam de nós”, escreveu o Papa em uma mensagem colocada na rede Twitter. A primeira visita de um Papa à ilha italiana, conhecida por receber a cada ano milhares de imigrantes ilegais que atravessam o mar em barcos improvisados, foi organizada em um dos meses no qual o fenômeno se intensifica com as boas condições do mar.

De acordo com estimativas, nos últimos 20 anos 25.000 imigrantes que tentavam chegar à Europa nestas embarcações. Segundo dados do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), 40 emigrantes morreram afogados em 2013. Francisco chegou primeiro à Cala Pisana, de onde embarcou para percorrer escoltado por barcos de pescadores e da marinha italiana parte do trajeto que costuma ser realizado pelos imigrantes. Mar adentro lançou uma coroa de crisântemos brancos e amarelos para lembrar todos aqueles que estão no fundo do mar sem sepultura e denunciar com este gesto emblemático a severa política da Europa em relação aos foragidos e ilegais.

Francisco, que estava acompanhado por seus assistentes, pelo porta-voz do Vaticano e por vários guarda-costas, se recolheu para rezar por aqueles que viram frustrado o sonho de um futuro sem violência nem miséria e cujo número exato ninguém conhece. Depois de retornar ao cais, Francisco saudou muitos imigrantes, a maioria deles africanos, provenientes da Somália e da Etiópia, assim como de Síria, Iraque, Líbia e Afeganistão. “Oremos por aqueles que não estão mais aqui”, disse o Papa a um deles. “Fugimos de nossos países por dois motivos: econômicos e políticos. Santo Padre, pedimos que nos ajude após tanto sofrimento”, pediu um deles, que falava em árabe.

Nenhum cardeal, político ou parlamentar acompanhou o Papa a pedido de Francisco, que desejava uma cerimônia sóbria. Lampedusa, situada a menos de 100 km da costa do norte da África, é a porta de entrada para a Europa. Nos seis primeiros meses de 2013, cerca de 8.000 emigrantes (7.913) desembarcaram na costa italiana, o dobro do ano passado durante o mesmo período de tempo. A morte em meados de junho no Canal da Sicília de sete imigrantes que se agarravam desesperadamente às redes de um barco de pesca de atum depois que a tripulação cortou as cordas ao descobri-los gerou indignação na península e motivou a visita papal.

A presidente da Câmara de Deputados, Laura Boldrini, ex-porta-voz do ACNUR na Itália, convocou o governo a adotar leis claras que obriguem “jurídica e eticamente” a ajudar as embarcações com imigrantes. Já Matteo Salvini, da xenofóbica Liga Norte, convidou a “impedir a globalização da clandestinidade” e defende o princípio de “ajudar os países de onde provêm os imigrantes a sair da pobreza como a única solução justa”. 

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/mundo/2013/07/08/interna_mundo,375670/papa-francisco-critica-a-indiferenca-do-mundo-com-o-drama-da-imigracao.shtml

Sobre SPM - Serviço Pastoral dos Migrantes

O Serviço Pastoral dos Migrantes (SPM) é uma Pastoral Social, vinculada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), fundada em 1985, que promove os direitos humanos, sociais, econômicos, políticos e culturais dos migrantes e imigrantes e comunidades de origem, trânsito e destino.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s