A natureza não é a responsável pela fuga dos nordestinos

MARIA APARECIDA DE MORAES SILVA

Em 1977, ao prefaciar Elegia para uma re(li)gião, o professor Francisco de Oliveira, em sua arguta análise, utiliza o termo nordesterrados com o intuito de revelar não apenas as circunstâncias históricas, geográficas, políticas e sociais da “região” Nordeste, como também para (re)significar a vida cigana de vaivéns constantes de milhares de pessoas que se deslocam, sobretudo, para a “região” Sudeste do país.

Acompanhando a história do desenvolvimento do capitalismo em São Paulo, observa-se que, desde o final da escravidão, houve a presença de trabalhadores migrantes do Nordeste, chamados nacionais, para diferenciá-los dos estrangeiros – italianos, espanhóis, alemães, japoneses, dentre outros.

Enquanto estes últimos eram empregados como colonos nas fazendas cafeeiras, os primeiros desempenhavam as perigosas tarefas de “limpeza” do terreno, isto é, derrubada das matas naturais e matança dos povos indígenas, primeiros habitantes do território paulista.

Assim, se consubstanciou o processo de formação das fazendas cafeeiras nas primeiras décadas do século 20. Na sequência, os nacionais foram contratados como camaradas -trabalhadores avulsos -que realizavam outros serviços, como roçada de mato, construção de cercas etc.

Com o surgimento das grandes usinas sucroalcooleiras, nos finais de 1950, em virtude do declínio sucessivo das fazendas de café e do colonato, intensifica-se a demanda de força de trabalho, principalmente, para o corte manual da cana de açúcar.

A partir de então, milhares de nordestinos, além dos mineiros do Vale do Jequitinhonha, aportam-se aos canaviais paulistas, na condição de migrantes temporários. Após o final da safra, regressam aos seus lugares de origem, para, no ano seguinte, reiniciarem a mesma caminhada.

Esse vaivém de centenas de milhares de pessoas, durante mais de 60 anos, caracteriza-se pelo processo de migrações permanentemente temporárias. São eternos migrantes, ciganos e desterrados.

Nos últimos anos, em razão da intensificação da mecanização do corte da cana, tem havido mudanças dessas rotas migratórias. Quem não consegue trabalho nas usinas paulistas dirige-se a outros Estados ou à construção civil.

Sem sombra de dúvidas, nos períodos de seca agrava-se a situação econômica, mormente, dos camponeses que ainda possuem pequenos lotes de terra no semiárido nordestino. A saída é um verdadeiro êxodo em busca da sobrevivência. No entanto, não é a natureza a responsável pela partida/fuga, e sim as condições históricas e estruturais dessa “região” pobre que alimenta a riqueza da outra “região”. Por mais de um século, os severinos aqui chegam e daqui partem.

MARIA APARECIDA DE MORAES SILVA é socióloga, professora livre docente da Unesp de Araraquara e do curso de pós-gradução em sociologia da UFSCar; pesquisa sociologia rural e migração

 

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/75082-a-natureza-nao-e-a-responsavel-pela-fuga-dos-nordestinos.shtml

Sobre SPM - Serviço Pastoral dos Migrantes

O Serviço Pastoral dos Migrantes (SPM) é uma Pastoral Social, vinculada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), fundada em 1985, que promove os direitos humanos, sociais, econômicos, políticos e culturais dos migrantes e imigrantes e comunidades de origem, trânsito e destino.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s