Convivência com o semiárido: Além da vida seca

ImagemPublicado em julho 17, 2012 por HC

Moradores do semiárido nordestino lutam para se adaptarem às mazelas da estiagem, a mais severa dos últimos 30 anos. Porém, garantem estar mais fácil sobreviver na região. Especialistas dizem que o período, que é cíclico, ainda deve durar até 2016.

Picos (PI) — Dois mil e doze. Para famílias do semiárido nordestino o ano ficará marcado por uma das piores secas da história. Entretanto, o drama de retirantes descrito no romance da literatura nacional Vidas Secas, publicado em 1938 pelo escritor alagoano Graciliano Ramos, não é mais tão presente. O abandono de residências é bem menos frequente e a população não precisa migrar para sobreviver à estiagem. Matéria de Paula Filizola, no Correio Braziliense, socializada pelo ClippingMP.

Apesar de melhorias e de estarem acostumados com o fenômeno, que é cíclico, 2012 será recordado com tristeza. Até o momento, 1.187 municípios tiveram a situação de emergência decretada pelo governo federal. Mesmo quem já viveu para contar períodos históricos da estiagem, caso da aposentada Maria Francisca de Carvalho Costa, 74 anos, não hesita em garantir que passa agora pelo momento mais severo. “Já vi duas grandes secas, mas não como essa. Não choveu de jeito nenhum.” E ela sabe que 2013 será pior, pois sem chuva as famílias não conseguiram plantar nada para colher no ano que vem. Levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que as perdas das culturas de milho, feijão e arroz superam 80%.

Matriarca de uma família de 11 pessoas, Maria Francisca reclama da falta de água. Moradora da comunidade Deserto, no município rural de Massapê, a 388km de Teresina (PI), ela conta que a última chuva forte que “deu para encher as cisternas” foi em novembro do ano passado. O normal da região são oito meses sem precipitações. Porém, este ano, ainda não caiu uma gota.

Ainda assim, a aposentada garante que a sobrevivência no semiárido melhorou, principalmente, por causa da água trazida pelos carros-pipa e pelas cisternas, instaladas pelo programa Um Milhão de Cisternas (PIMC). A iniciativa é parceria do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e com a rede de mais de 750 grupos da sociedade civil, unidos por meio da organização Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA). “As cisternas melhoraram bastante e não falta comida. Os animais também sofrem menos”, comenta.

Em uma comunidade próxima à de Maria Francisca vive a família de José Benedito dos Santos Neto. O pedreiro de 42 anos mora com a mulher, Antonieta, três filhos e uma idosa. Eles também são beneficiários do PIMC, que distribui cisternas de 16 mil litros. Antes da instalação, José lembra que a família chegava a andar mais de 3km para cavar buracos no chão e conseguir água. Com a mudança, até o desempenho dos filhos melhorou na escola — fenômeno revelado em pesquisa de 2007 da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), que aponta que crianças e adolescentes com cisternas em casa são mais presentes nas instituições de ensino.

Atualmente, a propriedade da família tem também a cisterna calçadão, que junta água da chuva para lavar roupa, tomar banho e outras funções. O sistema ainda não funciona, porque, desde a instalação, não chove. O programa de benefícios da ASA — para o qual todos os beneficiários são capacitados — garante que as famílias ganhem, além das cisternas, canteiros produtivos. Antonieta tem três e cuida deles com dedicação. No entanto, por causa da falta de água só um tem mudas crescendo.

As tecnologias de convivência com o semiárido são, na opinião de José, um dos motivos da melhora na qualidade de vida. O outro é o programa de transferência de renda do governo federal, Bolsa Família. “Com essas ajudas, melhorou bastante. Quem mora na zona rural passa necessidade ainda, mas fome não”, garante o pedreiro, que recorda as piores estiagens que já enfrentou: 1983, 1993 e a de agora.

Deficit hídrico
O quadro é alarmante. Dados meteorológicos já classificam a atual seca como a mais severa dos últimos 30 anos. O fenômeno climático, porém, obedece a padrões. Sua ocorrência está enraizada na história do Brasil com registros de secas no Nordeste desde o povoamento pelos portugueses há mais de 500 anos (veja arte). Estudos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) mostram que o mais comum na região é que a seca se manifeste de duas formas: de 10 a 13 anos ela obedece a um ciclo moderado, que, em alguns casos, pode chover e até causar inundações; a outra ocorre a cada 26 anos. Nesses casos, a seca pode se prolongar por até seis anos.

Desde 2005, o Nordeste brasileiro apresenta esse padrão. Isso não quer dizer, porém, que não chova. Chove, mas abaixo da média natural. A região apresenta o deficit hídrico — a quantidade de água que se evapora é três vezes maior do que a de precipitações que caem. E a situação tende a piorar. A meteorologia estima que chuvas vigorosas só molharão as terras do Nordeste daqui a quatro anos. Até lá, o nordestino terá de ser ainda mais guerreiro.

Cisternas deformadas
Para quem vive no sertão nordestino, ter uma cisterna representa mais tranquilidade nos períodos de estiagem. No entanto, em algumas regiões, os reservatórios estão se tornando um problema. Há dois modelos de cisternas sendo instaladas pelo governo federal: as de placa de cimento e as de polietileno. Por causa do extremo calor, as feitas de plástico estão deformando.

Segundo o último balanço do Ministério da Integração, foram instalados 9.444 reservatórios de polietileno, que custam em média R$ 5 mil. Desse total, o município de Petrolina (PE), dispara na frente com 3,769, seguido por Alagoas, com 2,155, e Bahia, 1,036. Levantamento da pasta indica que 41 cisternas ficaram deformadas até o momento, sendo duas em Cedro (PE) e 39 em Paulistana (PI). A pasta informou que os reservatórios defeituosos serão trocadas sem custo e ajustes para corrigir as deformações estão sendo promovidos.

Investimentos

O governo federal tem disponibilizado, por meio do Banco do Nordeste, linha de crédito de R$ 1 bilhão para apoiar empreendedores e agricultores dos estados prejudicados. Segundo o Ministério da Integração mais de 900 mil agricultores serão beneficiados neste mês pelos auxílios da Garantia-Safra e Bolsa Estiagem. Cerca de R$ 100 milhões foram disponibilizados para reforçar a distribuição de água por meio de carro-pipa. No programa Água para Todos serão investidos R$ 800 milhões para instalação de cisternas, barreiros e sistemas simplificados de abastecimento.

EcoDebate, 17/07/2012

http://www.ecodebate.com.br/2012/07/17/convivencia-com-o-semiarido-alem-da-vida-seca/

Sobre SPM - Serviço Pastoral dos Migrantes

O Serviço Pastoral dos Migrantes (SPM) é uma Pastoral Social, vinculada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), fundada em 1985, que promove os direitos humanos, sociais, econômicos, políticos e culturais dos migrantes e imigrantes e comunidades de origem, trânsito e destino.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s