Acre é rota de entrada de haitianos no país

Freud Antunes

Haitianos em fuga após o terremoto que atingiu o país há um ano, seguido de uma epidemia de cólera, elegeram o Acre como rota de entrada no Brasil. A explicação, segundo autoridades, é a falta de fiscalização na região.

Segundo a Superintendência da Polícia Federal no Estado, 76 haitianos chegaram ao Acre e pediram refúgio no Brasil desde abril de 2010. Nos anos anteriores, nenhum haitiano havia pedido tal status no Estado.

Porém, nem todos procuram a polícia. Segundo representantes do Conare (Comitê Nacional para os Refugiados), órgão vinculado ao Ministério da Justiça, o Estado tem mais de 150 haitianos.

Segundo o secretário estadual da Justiça, Henrique Corinto, os haitianos contam que, depois de passar pela República Dominicana, embarcam para o Equador, de onde seguem para o Peru.

“De Puerto Maldonado [Peru], eles entram na fronteira do Brasil das formas mais diversas, mas muitos deles vêm caminhando por Assis Brasil [cidade na fronteira]”, disse o secretário.

Renato Zerbini, membro do Conare, disse que os haitianos não estão sendo considerados refugiados, pois imigração por causa de catástrofe não garante esse status.

Zerbini afirmou que a escolha do Acre ocorreu após os chamados “coiotes” –criminosos pagos para fazer o transporte ilegal de pessoas– notarem uma menor fiscalização das fronteiras.

Antes, as entradas preferidas eram o Amapá, via Guiana Francesa, ou São Paulo.

Em Brasileia, (231 km de Rio Branco) há aglomerações de haitianos em praças.

Segundo o Conare, o plano da maioria dos imigrantes é viajar para cidades maiores, onde há mais empregos.

A Igreja Católica e o governo do Acre passaram a oferecer alimentos e abrigo aos estrangeiros. O padre Rutemarque Crispim disse que desde julho haitianos são abrigados em algumas salas da catequese, a pedido da PF.

“Atualmente, eles estão em pousadas, mas estamos organizando um local para abrigar todos, que é o ginásio. Já conseguimos os colchões e os banheiros”, disse.

Fonte: Folha de S. Paulo, 21/01/2011.

Anúncios

Sobre SPM - Serviço Pastoral dos Migrantes

O Serviço Pastoral dos Migrantes (SPM) é uma Pastoral Social, vinculada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), fundada em 1985, que promove os direitos humanos, sociais, econômicos, políticos e culturais dos migrantes e imigrantes e comunidades de origem, trânsito e destino.
Esta entrada foi publicada em Imigrantes, Notícias com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s